Cachês de cantores sertanejos disparam na retomada de shows

Escrito por em 01/11/2021

Com a melhora da pandemia, promotores de eventos aceleram os preparativos para a retomada dos grandes shows no Brasil. Mas os profissionais foram surpreendidos por um fenômeno: os cachês dos artistas dispararam durante a pandemia. Um show de Gusttavo Lima, maior nome do sertanejo na atualidade, não sai por menos de R$ 700 mil e pode chegar até R$ 1 milhão e 200 mil.

O Embaixador está com a agenda lotada depois de negociar a venda de shows para um fundo de investimentos. E o interesse nas apresentações do artista é tanto que os ingressos para um show marcado para o dia 11 de dezembro estão sendo revendidos por até R$ 2 mil.

Quem trabalha no setor de eventos entende que o aumento da demanda por shows ao vivo explica a explosão nos valores dos cachês. Um princípio básico da economia: a lei da oferta e da procura. Com shows ainda escassos, os que acontecem acabam custando mais. E, no caso dos artistas sertanejos, a alta também é explicada pelo domínio do gênero em todo o país.

Marília Mendonça é outro bom exemplo disso. Recordista de público nas lives realizadas no auge da pandemia, a cantora dobrou o cachê cobrado por uma apresentação. Antes da covid-19, a Rainha da Sofrência cobrava R$ 250 mil por show. Agora, uma apresentação da cantora não sai por menos de R$ 500 mil, mesmo valor pedido por um apresentação da dupla Chitãozinho & Xororó.

Fora do sertanejo, João Gomes se destaca. Expoente do piseiro, o jovem chega a cobrar R$ 400 mil reais por show. No caso dele, no entanto, a explosão veio depois de uma apresentação no Domingão com Huck, em que cantou ao lado de Ivete Sangalo. As informações são do colunista Léo Dias, do portal Metrópoles.

Marcado como

Faixa Atual

Título

Artista

Background